COMO PODEMOS LIDAR COM O MEDO NA INFÂNCIA?

Compartilhe nas Redes Sociais e WhatsApp
  1. O que é o medo? Para que serve o medo?

O medo é uma proteção natural que possuímos e existe para preservar a nossa vida. Se por acaso não sentíssemos medo, perderíamos a capacidade de perceber o que pode ou não ser perigoso. Subir num local muito alto e sem proteção, se aproximar de um animal que não conhecemos, tudo isso pode envolver muito risco para nós. O medo, portanto, nos mantém vivos. O medo ativa a nossa capacidade de fugir ou de defender quando percebemos que há algo ou alguma coisas nos colocando em risco. Medo quer dizer que eu me sinto desprotegido, frágil, em perigo, ameaçado, sem saída, inseguro e exposto.

  1. O medo pode nos atrapalhar?

Sim. Sentir medo demais ou não sentir medo algum pode nos colocar em situações de perigo e prejudicar a nossa saúde.

O medo em excesso pode paralisar a nossa vida, impedindo que sejamos capazes de aprender coisas novas e de conhecer lugares ou pessoas.

Por sua vez, não ter medo de nada acaba sendo muito perigoso. A falta de medo pode nos levar a não perceber o perigo de determinados lugares, de terminados animais e até de pessoas. Sem medo, nos machucamos mais ou até corremos o risco de morte.

  1. Quais são as outras emoções associadas ao medo?

O medo pode vir com roupagens diferentes de sua forma clássica, essa que conhecemos. Ele pode vir em forma de ciúmes (perder os pais, os amigos, etc.), de temor, de angústia, de pavor, de desespero, vergonha, apreensão, preocupação, ansiedade, insegurança, desamparo.

  1. Como podemos lidar com o medo na infância?

O medo não patológico pode ser conduzido de forma mais tranquila, com orientações simples. Mas se a criança apresentar Medo Patológico, Fobias, Ataques de Ansiedade e Pânico, por exemplo, será necessária ajuda profissional. Nestes casos, procure por ajuda o mais rápido possível.

Nos casos em que a criança apresentar medos típicos para cada idade, podemos utilizar as seguintes orientações:

  • Não construa e não reproduza imagens de medo para punição, como por exemplo, ‘homem do saco’, ‘a cuca’, ‘o zumbi’ vão vir pegar você… Muitas fantasias relacionadas ao medo são criadas na infância e farão parte da vida toda da pessoa podendo torna-la insegura, indecisa e dependente emocionalmente de outros.
  • Diferencie o que é real do que é imaginário: não existem fadas, gnomos, bruxas, momo e etc.
  • Dar atenção, questionar e estimular a criança a enfrentar o medo. Ela encontrará sozinha uma solução para as suas fantasias.
  • Não fale demasiado sobre o assunto para evitar que a criança fique mais ansiosa.
    Mude de assunto e distraia a criança.
  • Fale sempre a verdade sobre os medos reais para que a criança tenha a noção de perigo. Ela tem de saber por exemplo que as escadas e as piscinas representam alguns riscos, mas não é preciso exagerar.
  • Bonecos e brinquedos treinam a criança para a vida. As crianças gostam de representar em brincadeira o sentimento de medo frente a uma situação real, como a ida a um hospital.
  • Faça a apresentação formal das pessoas para que a criança saiba que aquele estranho tem autorização dos pais para se aproximar.
  • Ofereça objetos para que a criança se sinta mais segura, principalmente na hora de dormir e que reduzem a ansiedade da criança até adormecer.
  • Avalie a intensidade do medo e fique atenta para o limite da normalidade, que faz parte da rotina saudável da vida.

Caso o medo persista e esteja trazendo prejuízos para a saúde e aprendizado da criança a família deve procurar um Psicólogo.

É importante também dizer que, à medida que a criança cresce e se desenvolve, os medos tendem a desaparecer e a criança tende a compreender o que acontece com ela de forma mais clara. Mas caso os medos persistam e/ou apenas mudem de aspecto, a intervenção profissional será necessária.

Valeska Magierek. Psicóloga, Neuropsicóloga, atua há mais de 20 anos na área Psicologia Infantil e Neuropsicologia. Atualmente é palestrante, instrutora de cursos e atende no Centro AMA de Desenvolvimento em Barbacena. www.centroamadesenvolvimento.com.br.